Mostrando postagens com marcador Internacional. Mostrar todas as postagens

 





Um briefing para a imprensa brasileira foi realizado na Embaixada do Cazaquistão no Brasil, com a apresentação do discurso do Chefe de Estado Kassym-Jomart Tokayev ao povo do Cazaquistão "Novo Cazaquistão: o caminho da renovação e da modernização".

Em seu discurso, o Embaixador do Cazaquistão no Brasil Bolat Nussupov falou sobre os principais aspectos do programa de reformas políticas, concentrando-se no fato de que a mensagem é o ponto de partida da transformação em larga escala do país e da construção do «Novo Cazaquistão». Essas reformas significativas cobrem quase todas as esferas da vida e também visam fortalecer o envolvimento de todas as categorias de cidadãos na modernização sistêmica do Estado e da sociedade.

Assim, foi enfatizado que o Presidente Kassym-Jomart Tokayev em seu discurso à nação apresentou um programa de reformas políticas em larga escala e uma série de medidas sócio-econômicas importantes destinadas a superar as conseqüências negativas da complexa situação geopolítica do mundo.

Além disso, o diplomata cazaque observou que este ano o Cazaquistão comemora o 150º aniversário do educador cazaque, crítico literário, turcologista, poeta, figura pública e publicista político Akhmet Baitursynov, que fez uma contribuição significativa para o desenvolvimento da literatura cazaque. Neste sentido, o Embaixador informou sobre os planos da Embaixada para a abertura de cursos de língua cazaque na Universidade Fluminense no Rio de Janeiro.

Os especialistas brasileiros demonstraram grande interesse no novo programa político do Cazaquistão, que é uma continuação do curso para maior democratização do país, desejaram sucesso na implementação de reformas e expressaram gratidão pela organização do evento.


Logo em sequência foi realizada a comemoração do festival da abertura da primavera com a presença de representantes do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, chefes de agências estatais brasileiras, empresas brasileiras líderes,estiveram  chefes de missões diplomáticas dos países que também celebram o Nauryz, especialistas, jornalistas locais e representantes de canais de TV.
 
Na abertura do evento, o Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República do Cazaquistão na República Federativa do Brasil Bolat Nussupov observou que o Nauryz é um feriado muito antigo e estimado no Oriente, que personifica o início do Ano Novo, a atualização da natureza e o início de uma nova vida. O diplomata cazaque também enfatizou que tradicionalmente este feriado brilhante significa paz, bem-estar e prosperidade. Neste dia as pessoas desejam umas às outras o melhor e perdoam todas as falhas anteriores e se reconciliam. Enfatizando a unidade e solidariedade do povo do Cazaquistão, Bolat Nussupov desejou a todos os participantes bem estar, paz e prosperidade.

Este evento tornou-se uma boa plataforma para discutir o desenvolvimento da língua cazaque, promoção da herança cultural do Cazaquistão, fortalecimento, desenvolvimento e expansão das relações culturais e humanitárias de nosso país com a região da América do Sul. 

Uma exposição fotográfica da natureza e identidade cultural do Cazaquistão foi apresentada ao público.

Os convidados tomaram conhecimento das tradições e costumes associados à celebração do Nauryz.



 



No dia 26 de fevereiro de 2022 marca o 30º aniversário do genocídio Khojaly cometido pelas forças armadas da Armênia durante a agressão armênia contra o Azerbaijão.

Um dos crimes mais graves cometidos contra a população civil durante as décadas de agressão armênia contra o Azerbaijão, e uma das página mais trágicas da Primeira Guerra de Karabakh, foi a destruição da cidade de Khojaly e o genocídio de seus moradores. Antes do conflito, Khojaly, localizada na região de Karabakh, no Azerbaijão, abrigava mais de 7.000 pessoas: homens, mulheres, crianças e famílias.

A partir de outubro de 1991, a cidade foi cercada pelas forças armadas da Armênia. Durante a noite, em 25 de fevereiro de 1992, após o bombardeio maciço de artilharia de Khojaly, as forças armadas da Armênia, com a ajuda do antigo regimento de guardas de infantaria da URSS Nº 366, do qual os armênios constituíam a maioria, tomaram à força o controle de Khojaly. Os invasores destruíram a cidade e, com particular brutalidade, violentaram a população pacífica.

5.379 habitantes da cidade foram expulsos à força. 613 pessoas, incluindo 63 crianças, 106 mulheres e 70 idosos, foram brutalmente assassinadas. 1.275 foram capturados, feitos reféns e torturados, e 487 ficaram feridos. O destino de 150 dos capturados, incluindo 68 mulheres e 26 crianças, permanece desconhecido até hoje. As ações das forças armadas da Armênia separaram as famílias. Oito famílias ficaram sem sobreviventes. 130 crianças perderam um dos pais, 25 crianças perderam ambos os pais.

Os assassinatos indiscriminados de civis em Khojaly resultam de uma política de ódio étnico e discriminação racial contra os azerbaijaneses em nível nacional na Armênia. Isso levou à morte de pessoas inocentes com base simplesmente em sua etnia. Os crimes cometidos em Khojaly eram parte integrante da política de violência sistemática da Armênia contra os azerbaijaneses.
O massacre de Khojaly e outros crimes cometidos pela Armênia durante a sua agressão contra a República do Azerbaijão, incluindo crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídio, constituem graves violações do direito internacional humanitário e dos direitos humanos. Incluindo assim violações da Convenção para a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio; a Convenção contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes; a Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial e outras.

Até agora, os órgãos legislativos nacionais de 17 países, bem como 24 Estados dos EUA, a Organização da Cooperação Islâmica e a Organização dos Estados Turcos adotaram uma série de resoluções e decisões condenando o massacre de civis em Khojaly e caracterizando-o como um crime contra a humanidade e um ato de genocídio.

Em seu julgamento de 22 de abril de 2010, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos chegou a uma importante conclusão a respeito dos crimes cometidos em Khojaly, denunciando o comportamento daqueles que cometem as atrocidades como “atos de especial gravidade que podem constituir crimes de guerra ou crimes contra a humanidade”.

De acordo com o direito internacional, os Estados têm a responsabilidade de investigar atrocidades como as cometidas pelas forças armênias em Khojaly e processar os perpetradores. No entanto, até à data, nenhum dos responsáveis pelos crimes cometidos em Khojaly foi processado pela Armênia.

Em uma confissão reveladora de culpa, o então ministro da Defesa e ex-presidente da Armênia, Serzh Sargsyan, foi citado pelo jornalista britânico Thomas de Waal, dizendo: “antes de Khojali, os azerbaijaneses pensavam que … os armênios eram pessoas que não podiam levantar a mão contra a população civil. Fomos capazes de quebrar esse [estereótipo]” (Thomas de Waal, Black Garden: Armenia and Azerbaijan through Peace and War (Nova York e Londres, New York University Press, 2003), p. 172).

O alvo deliberado da população civil do Azerbaijão continuou durante as operações militares conduzidas pela Armênia de 27 de setembro a 10 de novembro de 2020. Alvejando deliberadamente a população civil e a infraestrutura civil de cidades do Azerbaijão, como Ganja, Barda, Terter, localizadas a uma distância considerável da zona de guerra, a Armênia recorreu às mesmas táticas de terror de 1992. Desta vez, com o uso de tipos modernos de veículos blindados, lançadores de foguetes e munições de fragmentação, a Armênia mais uma vez alvejou ilegalmente e matou civis pacíficos do Azerbaijão.

A República do Azerbaijão acredita que as medidas contínuas tomadas em nível nacional, bem como no âmbito do direito internacional existente, servirão para acabar com a impunidade e levar à justiça os responsáveis por crimes graves cometidos durante a agressão da Armênia contra o Azerbaijão.

Aproveitamos esta oportunidade para lembrar as vítimas do massacre de Khojaly e comprometer seu sacrifício ao nosso coletivo.

CLIQUE AQUI E VEJA MINHA CASA, MINHA VIDA VALPARAISO

Tecnologia do Blogger.